conta suspensa!

foi isso que eu li em abril de 2022. inclusive, suspensa pra sempre. vou contar minha jornada desde que entrei no Twitter.

conta suspensa!
Photo by Christian Lue / Unsplash

Eu já estava com os nervos à flor da pele com o gerenciamento de usuários do Twitter; antes disso, levei uma penalidade de sete dias por xingar uma garota de “puta”, devido à um comentário racista que a mesma fez numa discussão sobre cabelos crespos. A racista, obviamente, saiu impune, e rindo do resultado de sua denúncia.

Logo depois, fui criticar o desenvolvimento das comunidades do Twitter - um recurso novo, que existe há quase um ano, mas passa despercebido. Paralelo à este evento, eu havia sido demitido do emprego e estava sendo processado pelo empregador. Bem, assim perdi todos os meus nomes de usuário - não importa quantas contas novas eu criasse, a suspensão foi tão rigorosa que qualquer resquício da minha identidade era rastreado - telefone, e-mail, nome de usuário parecido, IP, etc. Eles realmente suspenderam a minha presença no site, não apenas minha conta.

Não era algo do tipo; vamos fazê-lo perder a conta, para dar uma lição, assim ele terá que criar outra conta do zero. Definitivamente o Twitter decidiu anular minha participação no site, o Filipe não é mais bem-vindo.

Lembro da primeira vez que criei uma conta no site - eu tinha o luxo de poder usar o nome de usuário @filipecarvalho, que abandonei por besteira, e acabei perdendo. Conheci muita gente legal, inclusive criando tutoriais para novos usuários - e ocasionalmente sendo chamado de desocupado pelos colegas da faculdade.

Meu perfeccionismo e crises de identidade sempre me faziam apagar a conta para recomeçar do zero. Assim fui apagando meus vestígios no Twitter. Nunca apostei que a rede fosse se tornar o que é hoje.

Hoje estou num exercício de desapego, pois não há sensação pior do que insistir em ficar num lugar onde você não é bem-vindo. Venho ao Twitter principalmente para ler notícias, saber o que está acontecendo, e ver o que as pessoas estão comentando sobre determinado assunto.

Na fase que estou vivendo, acredito que o ideal seria me afastar de todas as redes convencionais, desse formato repetitivo, de conteúdo expresso, desespero por engajamento e todas essas aberrações sociais que resultaram da cultura do Instagram e do Twitter. Não faz bem à ninguém, e inclusive, me faz muito mal.

Planejo voltar a escrever em blogs, com calma e sem senso de urgência. Deixar a ideia flutuar entre rascuhos, pra assim então saber se é necessário que seja publicada. Pra isso vou tentar usar o Substack, pra ter menos preocupação com layouts, plugins, hospedagem, e toda a dor de cabeça que é manter um site Wordpress, sendo uma pessoa perfeccionista.